quarta-feira, 29 de abril de 2009

Espinafres - Protectores da retina


Entre muitas outras coisas. Veja quaisO elevado conteúdo de ferro nos espinafres levou este alimento a ser considerado, durante muito tempo, uma fonte de força e energia.


Hoje, sabe-se, contudo, que se trata de uma falsa crença, uma vez que o nosso organismo não consegue absorver esse ferro em grande quantidade. O que as experiências científicas têm demonstrado, isso sim, é que o consumo de espinafres, graças ao seu teor em luteína e zeaxantina, pode ajudar a prevenir uma doença debilitante da vista chamada Degeneração Macular Relacionada com a Idade (DMRI). Trata-se de um processo associado ao envelhecimento e para o qual não existe cura nem óculos que corrijam a perda e distorção da visão.

Como actua?
Estes dois compostos químicos (luteína e zeaxantina), presentes no espinafre e noutros alimentos (couve-rábano, gema de ovo, milho...), formam o pigmento protector amarelo-alaranjado que cobre a retina (pigmento macular). Este pigmento actua como uns óculos de sol naturais que bloqueiam grande parte da luz azul e da radiação ultravioleta, ambas muito prejudiciais para todo o aparelho ocular. Para além disso, é um potente antioxidante que detém o dano produzido pela libertação de radicais livres.


As suas vantagens
Os estudos feitos demonstraram que os olhos com DMRI têm menos pigmento amarelo-laranja do que os saudáveis, que deve ser reposto à medida que envelhecemos. Como a luteína e a zeaxantina são produzidas apenas pelas plantas, o corpo tem de obtê-las através dos alimentos que as contêm, como os espinafres.


Por isso, a sua ingestão poderá não só reduzir significativamente o risco de DMRI, como atenuar os sintomas em pessoas que já possuem a doença. A prova científica Estudos anteriores demonstraram que os suplementos de luteína e zeaxantina podem aumentar a concentração de pigmento macular nos olhos.


Para comprovar se os espinafres desempenham igual papel na saúde dos olhos, encetou-se a seguinte experiência:
Fotografou-se o fundo do olho aos 12 voluntários que participaram no estudo e obtiveram-se imagens muito detalhadas da estrutura da retina.


Durante três meses, os voluntários adicionaram à sua dieta diária 50 g de espinafres (corresponde a 10 mg de luteína, aproximadamente) temperados com azeite.
No final, repetiram-se os mesmos estudos do fundo do olho, obtendo novas imagens da retina. O resultado observado no estudo foi o aumento do pigmento amarelo, a luteína, em cerca de 19%, um valor significativo.

Artigo publicado em Sapo Saúde. Texto de Fernanda Soares. Responsabilidade editorial e científica desta informação é da revista Prevenir.

1 comentário:

Di disse...

Boa noite,
Queria agradecer o fantástico blog que criaram e têm mantido. Dei com ele por acaso numa pesquisa da internet e até agora tenho lido sem parar.

Dão grandes dicas para uma alimentação equilibrada.

Obrigada e continuem o bom trabalho!